RELÓGIO Digital clock - DWR

quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

A VERDADEIRA ORIGEM DO NOME MALLET

Município de Mallet Bandeira desconhecida Brasão desconhecido Bandeira desconhecida Brasão desconhecido Hino Aniversário 21 de setembro Fundação 1912 Gentílico maletense Prefeito(a) Rogério da Silva Almeida1 (PV) (2013–2016) Localização Localização de Mallet Localização de Mallet no Paraná Mallet está localizado em: Brasil Mallet Localização de Mallet no Brasil 25° 52' 40" S 50° 49' 15" O Unidade federativa Paraná Mesorregião Sudeste Paranaense IBGE/2008 2 Microrregião Irati IBGE/2008 2 Municípios limítrofes Rio Azul, São Mateus do Sul, Paulo Frontin, União da Vitória e Cruz Machado Distância até a capital 162,9207 km Características geográficas Área 723,085 km² 3 População 13 522 hab. IBGE/20144 Densidade 18,7 hab./km² Altitude 901 m Clima Subtropical Cfb Fuso horário UTC−3 Indicadores IDH-M 0,761 alto PNUD/2000 5 PIB R$ 145 957,704 mil IBGE/20086 PIB per capita R$ 11 422,58 IBGE/20086 Página oficial
Mallet é um município brasileiro do estado do Paraná. A ocupação das terras do Vale do Iguaçu teve início com as expedições pelo Sertão do Tibagi, no período de 1768 a 1777, tendo como pioneiros, Domingos Lopes Cascais, assessorado por Bruno da Costa Figueira que, em várias expedições, percorreram este rio até a divisa com as terras espanholas. Foi durante a Quarta Expedição que Bruno da Costa Figueira subiu o Rio Potinga, explorando suas margens e atingiu a Serra da Esperança, constatando extensas regiões inexploradas. Em 1884 iniciavam-se os trabalhos de medição das terras e formação de núcleos coloniais da região Sul do Paraná. Um grupo de famílias parte de Campo Largo da Piedade, próximo de Curitiba, e ao passar por Palmeira, se encontraram com lavradores, procedentes de Itaiacoca, município de Ponta Grossa, formam assim 15 famílias, que marcham para a zona meridional, que penetrou no sertão bravio. São conhecidos somente três chefes das famílias: Frederico Carlos Franco de Souza, João Teixeira de Lima e Antônio Rodrigues de Lima. Cortando picadas e seguindo antigos caminhos de tropas. Após dois meses, atingiram a região localizada à margem esquerda de um rio, onde formaram um pequeno povoado, com moradias provisórias, e deram a denominação de Rio Claro, em virtude da limpidez das águas do rio. Esses primeiros povoadores das terras da futura colônia de Mallet não faziam parte do plano de colonização da província, mas dedicaram-se a agricultura e a pecuária, enfrentaram os mais difíceis problemas de sobrevivência para lavrarem a terra. Contudo, tinham elevado espírito de religiosidade e construíram no topo da colina uma capela, que era toda feita de bambus, dedicada a Nossa Senhora do Rosário. Em 1891, foi criada legalmente a colônia de Rio Claro, juntamente com outras três no Vale do Iguaçu: Palmira, Água Branca e Eufrosina. A Colônia Eufrosina foi criada com sede na vila Barra Feia, (atual Fluviópolis) ao longo da linha do Rio Iguaçu, que termina na sede da colônia de Rio Claro. O Porto Fluvial de Barra Feia tornou-se o escoadouro para os produtos das duas colônias. A colônia Rio Claro foi a maior em extensão as margens do Rio Iguaçu, com 1371 lotes, dos quais 79 formavam a sede da colônia, sendo os demais distribuídos por 9 linhas principais e 18 vicinais. Esta colônia ligava-se a sede da Barra Feia, por uma estrada carroçável, com extensão de 13 km, denominada linha Iguaçu. Passado seis anos do estabelecimento dos primeiros povoadores em Rio Claro, em 1890, chegaram os primeiros imigrantes europeus, provenientes da Polônia, indo localizar-se na Colônia que já se encontrava traçada em lotes de 10 alqueires de terra, os quais foram vendidos aos colonos, a longo prazo, e também sendo-lhes concedido o sustento por dois meses. Apesar de ser basicamente camponesa, a imigração polonesa apresentou um bom número de intelectuais, jornalistas, cientistas, sacerdotes, militares, artistas, que muito contribuíram para a modernização e o progresso material e intelectual da região. Em 1891, um ano após a vinda dos poloneses, 3.000 ucranianos estabeleceram-se em Rio Claro e Eufrosina. A maioria procediam da Galícia Ocidental, sendo classificados, pelo serviço de povoamento, como polacos austríacos e polacos russos. Os ucranianos e os poloneses, construíram igrejas, escolas, clubes recreativos, além de casas, sendo muitas em estilo europeu. Os habitantes daquelas comunidades viviam da agricultura e da pecuária, comercializando os seus produtos com os tropeiros que atravessavam a região, saindo de Palmas rumo a São Paulo. A 22 de novembro de 1892, foi criado o Distrito Judiciário de Rio Claro, atual Rio Claro do Sul, por ato do município de São João do Triunfo, o qual englobava esta área. Por volta de 1895, esta comunidade recebeu mais um grupo de imigrantes, sendo ucranianos, e em 1896, 800 famílias estabeleceram-se nos arredores dos núcleos de Mallet e Dorizon. Em 1903, os trilhos da Brazil Railway Company Companhia Estrada de Ferro São Paulo-Rio Grande concedidos a Teixeira Soares são assentados a 20 km ao sudoeste da Vila de Rio Claro do Sul, ligando o Rio Grande do Sul a São Paulo. Já em seguida, foi construída uma estação ferroviária com o nome de "Estação Ferroviária Marechal Mallet", em homenagem ao engenheiro militar João Nepomuceno de Medeiros Mallet, natural de Bagé – RS, membro da tradicional família militar brasileira. Com a construção dessa estação e da estrada de ferro, muitas famílias vieram morar nas redondezas formando um pequeno povoado chamado de "São Pedro de Mallet", às margens de um riacho chamado Charqueada. Nas proximidades desta estação ferroviária construiu-se uma pequena capela cujo padroeiro é São Pedro, daí o nome de São Pedro de Mallet. Com o evidente progresso trazido pela estrada de ferro, esse povoado recebeu, então, nos anos seguintes, a chegada de muitas famílias vindas da Europa. Criaram-se, então, outros povoados como Dorizon, Serra do Tigre, Vera Guarani, Colônia Eufrosina, Barra Feia, Santa Cruz, Lajeado, Vera Cruz e outros. O Decreto nº 286, de 28 de julho de 1904, regulamenta os serviços de cobrança de dívidas coloniais do estado, formando a colônia Rio Claro. No ano de 1908, a dezessete de dezembro, foi criado o Distrito Judiciário de São Pedro de Mallet, da Comarca de São Mateus. A colônia atingiu certo grau de desenvolvimento e, finalmente a quinze de abril de 1912, pela lei nº 1189, foi criado o Município de São Pedro de Mallet, instalado oficialmente dia 21 de setembro do mesmo ano, na residência do cidadão Adão Sobocinski, com a posse do primeiro prefeito, o senhor José Pompeu. A partir da criação do Município de São Pedro de Mallet, o mesmo foi desmembrado do Município de São Mateus do Sul, passando a pertencer a Comarca de União da Vitória. A Vila de São Pedro de Mallet, sede do município, foi incorporada com mais os núcleos de Rio Claro, Vera Guarani e Dorizon. Em 1920, passados vários anos da chegada dos imigrantes, muitos deles não haviam sido naturalizados brasileiros, constando no terceiro recenseamento da república como estrangeiro, 5.067 habitantes, num total de 14.294 habitantes. Entre os 9.227 brasileiros restantes, constam ainda os descendentes de imigrantes. Em 26 de março de 1921, foi criado o Distrito Administrativo de Paulo Frontin, e em 1938, o Distrito de Dorizon. A Lei Estadual de nº 2645, de 1 de abril de 1929, deu oficialmente a denominação a grafia de "Mallet", sendo extinto o termo São Pedro de Mallet. A partir do Estado Novo, houve a proibição do uso da língua estrangeira, com isso foram fechados os clubes literários e escolas de língua estrangeira e a continuidade do ensino da língua ficou a cargo da família. Os livros das bibliotecas existentes foram distribuídos entre os seus sócios, para que se mantivessem bem protegidos contra possível confisco, e esse material servia para suas leituras. A partir de 1946, novamente os padres e religiosos puderam orientar os colonos com a língua europeia, no sentido de preservar a língua polonesa e ucraniana. Até 1950, a administração do município de Mallet esteve no poder de líderes nacionais, não pertencentes à comunidade local. Assim, pessoas como José Pompeu, Ademar Sá, Elpídio Caetano da Silva, Osvaldo Lombardi Dias, Odilon Barros de Camargo, Aderbal Fortes, José Paul, Valdomiro França, são os nomes de alguns dos primeiros prefeitos; exceção feita a Bronislau Wronski (1935); e a partir de 1950 Szremeta, Choma, Lopacinski, Bilek, Matioski, Zanko, representam a participação livre dos descendentes eslavos na administração local.

GROOVE , SWING , & SAMBA. EM HOMENAGEM BLACK MUSIC VOL:II

Mallet Arte Sons No Swing Do Samba Homenagem Black Music VOL: II

Mallet Arte Sons No Swing Do Samba Homenagem Black Music VOL: II

ALGUÉM JÁ DECIDIU POR VOCÊ?

" Já Alguma vez você refletiu sobre o que fez cansar da sua própria vida? talvez fazer sempre as mesmas coisas, sem empenho, essa é a fórmula reconhecida e exata para se obter sempre os mesmos resultados, conduzindo ao fracasso de forma generalizada.... Começa o novo ano e é sempre a mesma incógnita. “Será que este ano a minha vida muda?”; “Será que resolvo os meus problemas financeiros?”; “Será que encontro a pessoa certa?”; “Será que termino o meu curso?”; “Será que tenho a minha família unida e o meu casamento restaurado?”; “Será que descobrem a cura para a minha doença?”. Muitos até recorrem às previsões astrológicas para ver o que o novo ano lhes reserva e ficam à espera que essas mesmas previsões se cumpram, deixando passar os meses, um após o outro, sem que rigorosamente nada aconteça. E sabe porquê? Porque a vida não acontece lá fora, pelo contrário, ela começa dentro de cada um de nós. O roteiro da nossa própria existência, ao contrário do que muitos acreditam, é escrito por cada indivíduo, mediante as atitudes tomadas. Se somos bem-sucedidos, se falhamos, se mudamos, se nos mantemos na mesma… a questão é que, muitas vezes, comportamo-nos como espetadores, à espera de ver acontecer aquilo que mais ansiamos, sendo que, para isso, baste que aguardemos. Porém, a transformação só acontece quando há uma aproximação, encontro e experiência pessoal com Deus. É isto que revoluciona o nosso interior, que opera a transformação e nos permite resplandecer e brilhar de uma forma nunca antes vista. Muitos acreditam piamente que a única saída é apenas aquela que os seus olhos físicos conseguem vislumbrar, mas isto é só porque o seu espírito está condicionado, afetando a sua visão sobrenatural e, consequentemente, a sua capacidade de escolha. Caro internauta, 2015 exige capacidade de decisão, pois, tenha bem presente que: se você não tomar uma decisão em favor da sua vida, acontecerá o pior: alguém decidirá por si! “Quando mais de desafio sou, quanto mais permaneço e me entrego, mais eu brilho nesta vida."

Profissões da Bíblia - Vendedor de tecidos

A venda de tecidos era uma das atividades mais lucrativas da Antiguidade
Paulo está em sua segunda grande viagem missionária, ensinando as pessoas sobre a Salvação em Jesus, e, enfim, chega à cidade de Filipos, na Macedônia. Fora da cidade, Paulo encontra um lugar para orar, juntamente com Silas, e eles conversam com as mulheres que estavam naquele local. Uma delas é Lídia, que era temente a Deus. Sua profissão era de vendedora de tecidos de púrpura, na cidade de Tiatira. Após ouvir a pregação de Paulo, Lídia e sua família são batizadas. Vendo que os apóstolos não tinham onde ficar, ela os convida a permanecerem com sua família. A Bíblia não relata, mas é possível que Lídia houvesse mudado de Tiatira para Filipos por causa do trabalho, e tudo indica que ela era a responsável por sua família, e que não tinha um marido. Porém, a profissão de vendedora lhe permitia ganhos financeiros muito altos. Segundo Marco Valério Marcial, um poeta romano do século 1, um manto de púrpura, da cidade de Tiro, podia custar 2,5 mil denários – um denário era o valor de um dia de trabalho –, o que coloca esses tecidos como algo luxuoso para a época. Geralmente, os compradores pertenciam à elite política e militar. Seria como se ela fosse, hoje em dia, uma empresária do mundo da moda. Comércio de tecidos na Antiguidade
Quando falamos em comércio na Antiguidade, uma forte referência é feita aos fenícios, porque eles eram os maiores promotores de vendas naquela época e comercializavam, além de tecidos, azeite, vinhos, móveis, joias e armas. Tinham uma grande vantagem por dominarem a tecnologia marítima. Os barcos eram movidos por velas com a força dos ventos, as mercadorias ficavam estocadas no porão dos navios e eram protegidas em vasos de argila com areia dentro. Naquela época também já existia a pirataria, por isso era comum que um barco de guerra acompanhasse um barco de comércio, para evitar que saques ocorressem. Havia postos comerciais fixados em vários lugares pelo Mediterrâneo, nesses postos ficavam marinheiros, comerciantes e artesãos. Porém, como o movimento era muito forte, o controle sobre as negociações, estoques e valores exigiu a criação de um alfabeto fonético pelos fenícios – o primeiro da humanidade –, qe possuía 22 letras e também acabou influenciando a criação do alfabeto ocidental de hoje. O comércio de tecidos na cidade de Tiatira – hoje localizada ao oeste da Turquia – foi uma das especialidades do lugar, e para poder comercializar seus produtos era necessário que o vendedor pertencesse a uma das corporação de ofício – que tinham como objetivo regulamentar a profissão. Processo de criação do produto
Nem todos os tecidos eram tingidos, pois a maneira de se conseguir as cores era muito trabalhosa. Por exemplo, a cor azul era criada com o anil, e esse corante era extraído de uma planta chamada Índigo (foto ao lado). Já a púrpura – especialidade de venda de Lídia, conforme relata a Bíblia – era um corante, geralmente de cor vermelha, ou roxa, extraído de caramujos marinhos (foto ao lado). Uma característica que ajudava a aumentar o valor desse produto era que, com o passar do tempo, a tinta não desbotava. Porém, para que o tecido fixasse a cor que recebia, era necessário que permanecesse por um tempo exposto ao sol. No caso da púrpura, por exemplo, o molusco era esmagado e a glândula que produzia a secreção que dava o tingimento era retirada. Por 3 dias ela ficava de molho em uma poção salina e então tudo era fervido em água, durante 10 dias, para que pudesse ser aplicado ao tecido. A vida profissional oferece um imenso leque de oportunidades.

Que problemas você tem enfrentado em sua vida? Entenda o que a Bíblia diz e aprenda a lidar com eles

Então ninguém lhe avisou que a vida seria tão difícil? Seu trabalho está tomando cada vez mais tempo, lhe deixando estressado e ainda assim o salário acaba antes do fim do mês? Não consegue dar tanta atenção quanto deveria para a família? Parece que quanto mais você tenta ir para frente, mais para trás você anda? Calma! A solução para os seus problemas existe. E existe há muito, muito tempo. E ela está descrita na Bíblia. Há aproximadamente 1960 anos, um viajante escreveu cartas para companheiros de outras cidades. Em uma delas, a advertência: “não atentando nós nas coisas que se veem, mas nas que se não veem; porque as que se veem são temporais, e as que se não veem são eternas.” 2 Coríntios 4.18 Ele havia passado por diversas regiões carentes ao longo de sua viagem, vendo pessoas sendo mortas pela fome, pela violência, pela falta de fé. Por isso insistiu que todos deveriam estar atentos ao que vem depois do problema. Esse viajante era o apóstolo Paulo, que exortava o povo de Corinto para que cresse tão somente. Escolhendo o ponto de vista Imagine sua vida em uma linha do tempo. Posicione-se fora dela, encontre uma situação difícil pela qual passou e observe quanto tempo durou esse problema. Supomos que, há alguns anos, você estava desempregado. Quanto tempo isso durou? Dois meses, 3, 6? Perceba como, na linha do tempo de toda a sua vida, 3 meses é um período bastante curto. É verdade que foi difícil passar por isso, mas também é verdade que o desemprego lhe motivou a cada dia mais buscar uma oportunidade, até que ela surgisse, certo? “Por isso, não desanimamos; pelo contrário, mesmo que o nosso homem exterior se corrompa, contudo, o nosso homem interior se renova de dia em dia” (2 Coríntios 4.16), afirma Paulo na carta. Um problema pode trazer dor de cabeça, sofrimento, angústia. Mas também traz aprendizado, nos torna mais fortes, nos prepara para outras adversidades que possam surgir pela frente. É importante que mantenhamos o foco em Deus e que sejamos perseverantes e fiéis em nossas buscas, para que possamos conquistar. Na Bíblia, Deus diz: “não temas, porque eu sou contigo; não te assombres, porque eu sou o teu Deus; eu te fortaleço, e te ajudo, e te sustento com a minha destra fiel.” Isaías 41.10 Ele promete estar conosco, e se a força vem dEle, não existirá fraqueza que lhe faça parar antes de vencer o problema e enxergar o invisível.

FRASE DO DIA

O COVARDE NUNCA TENTA. O DERROTADO NUNCA COMPLETA O VENCEDOR NUNCA DESISTE